Samosa com massa de arroz / Rice paper samosas

* Scroll down for the English version!

Eu amo comida indiana. Morei na Índia por 6 meses quando era bem novinha e desde então, cultivo essa paixão. Minha mãe conta que eu fugia das opções de comida ocidental e mesmo tendo só cinco anos, me deliciava com as especiarias e até com a pimenta. Isso explica muita coisa, não é? ;-)

Ao longo do tempo, fui aprendendo a usar alguns temperos. Apesar de achar os pratos que eu faço bem legais, tenho a plena consciência da minha ignorância. Muita gente passa anos estudando milhares de especiarias, as melhores combinações e a época do ano na qual usar qual tempero. Eu só sei jogar tudo na panela e achar uma delícia. Mas pra mim, está ótimo! Rs

Essa versão de samosa é incrível! Para quem não sabe, samosas são pasteis indianos feitos com uma massinha de trigo e recheados com batata, ervilha e especiarias. Hoje em dia eles são famosos no mundo inteiro e servidos como uma opção super bacana de lanche.

Como a minha preguiça é imensurável, nunca tenho paciência de fazer a massa. Costumo usar massa de rolinho primavera, dessa que já vem pronta e congelada. Mas vi essa opção na internet e adorei a ideia de usar massa de arroz. Não faço mais ideia de onde vi, mas a pessoa genial que criou, bolou uma forma de deixar os pasteis mais fáceis de fazer e mais leves. E ainda incrivelmente saborosos e crocantes. A massa de arroz pode ser encontrada em lojas orientais e é muito versátil. Costumo usar para fazer rolinho primavera fresco. Como a massa é redonda, eu ignorei o formato original triangular e fiz os pasteis meio retangulares.

Também inovei na ervilha. A receita tradicional usa ervilha em grãos, mas eu tinha ervilha chata em casa e quis experimentar. E funcionou super bem! Deixei o vegetal tenro, mas crocante e a textura fez toda a diferença no pastel. Delícia!

Ingredientes:

  • 2 batatas
  • 2 punhados de ervilha chata
  • 1 cebola
  • 1 colher de chá de garam masala
  • 1 colher de chá de grãos de mostarda
  • 1 colher de chá de grãos de cominho
  • Azeite
  • Sal a gosto
  • 8 folhas de massa de arroz
  • 1 xícara de água morna

Cozinhe as batatas na água. Assim que ficarem tenras, pique em cubos bem pequenos.

Lave e pique as ervilhas. Tome o cuidado de retirar toda a fibra dos cantinhos.

Descasque e pique a cebola bem pequena. Em uma frigideira, coloque um pouco de azeite e cozinhe a cebola com uma pitada de sal e a masala. Assim que a cebola estiver dourada, acrescente as batatas. Após alguns minutos, junte as ervilhas. Cozinhe até que estejam tenras, mas crocantes.

Em uma panela separada, coloque uma colher de sopa de azeite, as sementes de mostarda e de cominho. Fique com a tampa em mãos desde o início e tampe rapidamente, já que o calor faz os grãos de mostarda pularem igual pipoca! Desligue o fogo assim que o barulho parar. Junte as sementes com as batatas e ervilhas. Confira o tempero. Você vai perceber na hora o sabor incrível que o cominho e a mostarda trazem. É importante cozinha-los separadamente para que eles não queimem.

Deixe o recheio esfriar um pouco antes de começar a montar as samosas. Pegue uma folha de massa de arroz e mergulhe em um prato com água morna. Espere poucos segundos, até a massa ficar maleável.

Estique a massa em uma superfície limpa e coloque três colheres de recheio bem no meio. Junte as abas laterais no centro. Leve a parte perto de você para longe e role toda a samosa para frente, até selar a massa. Repita o procedimento com todo os pasteizinhos.

Aqueça uma frigideira antiaderente e coloque quantas samosas couberem. Deixe dourar cada um dos lados. Repita com todas as outras. Caso tenha, acompanhe com um chutney. Sirva quente!

Essa receita serve 2 a 4 pessoas.

I love Indian food. I lived in India for 6 months when I was young and since then, I’ve been cultivating the feeling. My mother tells me that I used to avoid western food and would feast on the delicious and spicy Indian dishes. That explains a lot, right? ;-)

With time, I learned how to use some of the spices. To be honest, even though I like the food that I make, I’m completely aware of my ignorance. Some people spend years studying spices, how to combine them and when best to use them. All I do is experiment, putting everything in the pot and guessing. Anyway, I do get nice results and I’m loving it!

This version of samosa is incredible. For those of you who don’t know, samosas are Indian pastries that are made with a wheat dough and stuffed with potatoes, peas and spices. Nowadays they are famous worldwide and are served as a fantastic snack.

As my laziness overpowers me most of the time, I never have the patience to make the dough. I usually use spring roll pastry, the kind that is ready made and frozen. But I found this option on the Internet and loved the idea of using rice paper wrappers. I have no idea where I first saw this, but the genius who created this made samosas easier and lighter. And still as delicious and crunchy! Rice paper can be found on oriental shops and is so versatile. I usually use it to make fresh spring rolls. As the wrappers are round, I ignored the original triangular shape of the pastries and made them into sort of squares.

I also innovated on the kind of pea that I used. The traditional recipe uses regular peas (the grain), but since I had snow peas, I decided to experiment. And it worked so well! I left it tender, but crunchy, which made all the difference when it came to texture. Delicious!

Ingredients:

  • 2 potatoes
  • 2 handfuls of snow peas
  • 1 onions
  • 1 teaspoon of garam masala
  • 1 teaspoon of mustard seeds
  • 1 teaspoon of cumin seeds
  • Olive oil
  • Salt to taste
  • 8 rice paper wrappers
  • 1 cup of warm water

Cook the potatoes on water. As soon as they are tender, chop them into small cubes.

Wash and chop the snow peas. Take care to remove all the fiber from the corners.

Peal and chop an onion into small pieces. On a frying pan, put some olive oil and cook the onion with a pinch of salt and the masala. As soon as the onion has turned golden, add the potatoes. After a few minutes, add the peas. Cook until they are tender, but still crunchy.

On a separate pot, put a tablespoon of olive oil and the mustard and cumin seeds. Have the lid of the pot ready and close right after adding the seeds, since the mustard pops like crazy. Turn the heat off as soon as the noise stops. Add the seeds to the potatoes and peas. Check the seasoning. You will notice at once the incredible flavor that the cumin and mustard bring. It’s important to cook them separately to avoid burning them.

Let the filling cool a bit before starting assembling the samosas. Get one rice paper wrapper and dip it on a plate with warm water. Wait a few seconds until the wrapper is soft.

Lay it on a clean surface and put 3 spoons of filling right in the middle. Fold the side corners to the center. Take the part that is closest to you to the center and roll the whole samosa forward, until the wrapper seals. Repeat this procedure with all the pastries.

Heat up a non-stick frying pan and put as many samosas as you can fit on it. Let each side toast until golden. Repeat this with all the others. In case you have some, serve with chutney. Eat them while still hot!

This recipe serves 2 to 4 people.

Anúncios

Bolinhos de couve-flor / Cauliflower tots

* Scroll down for the English version!

Eu ando procurando receitas de lanches gostosos e saudáveis. Batatinhas assadas, chips de couve ou abobrinha, pipoca com ervinhas, patês de legumes ou verduras… Tenho quase uma coleção! Como eu me recuso a fritar, adapto as receitas tradicionais e faço tudo no forno.

O post de hoje é um bom exemplo. “Tater tots” são bolinhos de batata fritos muito comuns nos EUA. Mas como não são lá muito saudáveis, o mundo resolveu responder com tots (ou bolinhos) de couve-flor. Adaptei essa receita do blog Skinny Taste e assei essas belezinhas.

Usei o mesmo método de cozinhar a couve-flor da base da pizza. Ficaram lindos e deliciosos, olha!

Ingredientes:

  • ½ couve-flor
  • 1 ovo
  • ½ cebola picada fininha
  • 1 pitada de orégano
  • 5 folhas de manjericão
  • ½ xícara de queijo parmesão ralado
  • ½ xícara de farinha de pão temperada (caso faça a farinha em casa, use 3 fatias de pão de forma ou um pão francês, 2 colheres de chá de alho torrado, 1 colher de chá de azeite e sal – veja o procedimento abaixo)
  • Sal a gosto
  • Azeite para untar

Ligue o forno a 180°C. Lave a couve-flor e corte-a em pedaços médios. Bata em um processador de alimentos ou liquidificador, até que os pedaços fiquem pequenos como grãos (caso só tenha o liquidificador, bata aos poucos e resista a tentação de usar água!).

Leve ao forno em um tabuleiro ou pirex, por 15 minutos.

Para fazer a farinha, leve o pão ao forno por alguns minutos e retire assim que ficar crocante. Bata em um processador ou liquidificador com um pouco de sal, azeite e o alho torrado. Essa é a sua farinha de pão temperada. Reserve.

Retire a couve-flor do forno e despeje em um pano de prato limpo. Junte as pontas e aperte, até que toda a água tenha escorrido (você vai precisar deixar esfriar um pouco antes de começar ou vai acabar queimando as mãos. Ai!).

Doure a cebola em uma frigideira. Junte com a couve-flor, o ovo, as ervas, o parmesão e a farinha de pão. Confira o tempero.

Faça bolinhos com a ajuda de uma colher. Você pode escolher o formato, essa parte é a mais divertida :-) Unte um tabuleiro com azeite e espalhe os bolinhos.

Asse por aproximadamente 20 minutos (se o seu forno for bom. Como sempre, o meu me fez esperar rs) virando cada um no meio do processo. Eles estão prontos quando estiverem dourados. Sirva-os ainda quentes! Eu, que ando viciada em mostarda, achei que combinou bastante.

Essa receita rende aproximadamente 20 bolinhos.

I have been looking for good recipes for tasty and healthy snacks. Baked potato wedges, kale or zucchini chips, herbed popcorn, vegetable spreads and dips… I have almost a collection! And as I refuse to deep fry anything, I always adapt any traditional recipe and bake it all up.

Today’s post is an example. “Tater tots” are fried potato cylinders and are everywhere in the US. But as they’re not at all healthy, the world responded to them with cauliflower tots. Baked ones, of course. I adapted this recipe from Skinny Taste.

I cooked the cauliflower the same way I did the pizza crust. The tots turned out cute and delicious, look!

Ingredients:

  • ½ head of cauliflower
  • 1 egg
  • ½ onion – chopped finely
  • 1 pinch of oregano
  • 5 basil leaves
  • ½ cup of parmesan cheese – grated
  • ½ cup of seasoned breadcrumbs (in case you’re making yours at home, use 3 slices of bread, 2 tablespoons of toasted garlic, 1 teaspoon of olive oil and salt – see the procedure below)
  • Salt to taste
  • Olive oil – to grease

Turn the oven on at 180°C. Wash the cauliflower and chop it into medium sized florets. Blitz them on a food processor (or a blender. It takes a while, but it works, as long as you do it little by little. Do NOT use water). Stop when it has reached the size of rice. Bake for 15 minutes on a baking tray.

To make the crumbs, take the bread slices to the oven and remove them as soon as they get crispy. Blend them with salt, olive oil and toasted garlic. These are your seasoned breadcrumbs. Set aside.

Remove the cauliflower from the oven and dip it on a clean cloth. Hold the tips and squeeze, removing all the water (you’ll probably need to let it cool a bit before handling or you’ll burn your hands. Ouch!).

Cook the onion until golden. Mix it with the cauliflower, the egg, the herbs, the parmesan cheese and the breadcrumbs. Check the seasoning.

Make the tots using a spoon. You can the choose the size and shape, that’s the fun part :-) Grease a baking tray and spread the tots on top.

Bake for about 20 minutes (if your oven is good. As usual, mine made me wait much longer), turning upside down in the middle of the process. They’ll be ready when they turn golden. Serve them still hot. I’m currently addicted to mustard, so I dip them in it and liked the combo.

This recipe yields about 20 tots.

Sanduíche de cenoura caramelizada e cream cheese / Caramelized carrot and cream cheese sandwich

* Scroll down for the English version!

A vida nos dá gratas surpresas de vez em quando. Dessas pequenas, mas que fazem toda a diferença. Alguns anos atrás, eu passei uns dias em Buenos Aires com a minha mãe. A viagem foi super bacana, a cidade é linda e cheia de história. A viagem de volta foi bem comprida, tivemos que pegar uma conexão e passamos muito tempo no aeroporto. O primeiro voo tinha poucas opções vegetarianas, era tudo caro e com uma cara horrível. Resolvemos comer depois de aterrissar. Fomos à única lanchonete que encontramos e pedimos o único sanduíche sem carne. Eu já não esperava muito e talvez a fome tenha afetado os meus sentidos.

Mas gente… minha gente… que sanduíche. Ele valeu a fortuna que pagamos e ainda ficou para a história. O pão era ciabatta e o recheio era de cream cheese, cenoura caramelizada no shoyu e broto de alfafa. Uma das combinações mais incríveis que já comi. Resolvi fazer uma versão mais acessível, já que cream cheese é caro e ciabatta é mais ainda! Mantive o cream cheese e usei um pão de forma integral. Não senti falta do broto de alfafa, mas ele seria bem vindo. Olha o resultado. Pão crocante, cenoura meio doce e meio salgadinha de shoyu e o queijo cremoso… Delícia!

Ingredientes:

 

  • 2 fatias de pão de forma (ou ciabatta)
  • ½ cenoura
  • 2 colheres de sopa de cream cheese
  • 2 colheres de sopa de shoyu
  • (1 punhado de broto de alfafa – opcional)

Torre os pães da forma que preferir. Caso queira, use ciabatta ao invés de pão de forma.

Fatie a cenoura em rodelas bem fininhas. Usei uma mandolina.

Em uma frigideira, cozinhe a cenoura com o molho shoyu por uns 2 minutos. Não cozinhe demais, para que a cenoura mantenha sua estrutura e a crocância.

Passe o cream cheese em uma fatia e espalhe as rodelas de cenoura por cima. Feche o sanduíche e pronto! Só comer!

Essa receita serve 1 pessoa sortuda.


Now and again life gives us nice surprises. Little ones, but that make all the difference. A couple of years ago, I spent a few days in Buenos Aires with my mother. The trip was really nice, the city is beautiful, full of history. The trip back was quite long, we had a flight connection and spent a lot of time at the airport. The first airplane had few vegetarian options, everything was very expensive and looked horrible. So we decided to eat when we landed. We went to the only diner we found and asked for the only meatless sandwich. I had little expectation and perhaps the hunger affected my senses.

But man… that sandwich… It was worth the fortune we paid for it and it made history (for me, of course)! The bread was ciabatta and the filling consisted of cream cheese, carrot caramelized in soy sauce and alfalfa sprouts. It was one of the most amazing combos I ever had. I decided to make a more accessible version, since cream cheese is expensive and ciabatta is even more (at least in Brazil)! I kept the cream cheese and used slices of whole wheat bread. I didn’t miss the sprouts, but would have been welcome. Look at the result. The bread is crunchy, the carrot is half sweet, half salty from the soy sauce and the cheese is creamy and delicious. Yum!

Ingredients:

  • 2 slices of whole wheat bread (or ciabatta)
  • ½ carrot
  • 2 tablespoons of cream cheese
  • 2 tablespoons of soy sauce
  • (1 handful of alfalfa sprouts – optional)

Toast the slices however you want to. In case you prefer, use ciabatta instead of slices of a regular loaf.

Slice the carrot very finely. I used a mandoline.

Cook the carrot with the soy sauce on a frying pan for about 2 minutes. Don’t cook too much, or the carrot will lose its structure and crunchiness.

Spread the cream cheese on a slice and arrange the carrot on top. Close and sandwich and that’s it! Now you eat!

This recipe serves 1 lucky person.

Bolinhos de milho / Corn fritters

* Scroll down for the English version!

Outro dia eu vi na internet de um bolinho de milho que parecia incrível. Comprei uma lata de milho verde para experimentar. No momento em que bateu a fome e fui procurar a receita, não encontrei mais… então resolvi inventar! :-D

Minha avó paterna sempre fez bolinhos de tudo. Usava mil ingredientes comuns, temperos simples e o resultado era sempre incrível. Como ela nunca foi do tipo que segue receitas à risca, achei que valia à pena improvisar. Por sorte, eu tinha acabado de ganhar ovos caipiras e o resultado foi essa panquequinha amarelíssima linda!

Ingredientes:

  • 1 lata de milho verde
  • 2 ovos
  • ¾ xícara de farinha de trigo
  • 1 dente de alho amassado
  • Sal a gosto
  • 1 ramo de manjericão
  • 1 colher de sopa de páprica defumada
  • Óleo

Não existe nada mais simples. Aqueça uma frigideira com um pouco de óleo. Misture todos os ingredientes e coloque pequenos montinhos da massa para fritar. Não usei óleo demais, só o suficiente para deixar a parte externa crocante.

Os montinhos vão ficar achatados com o tempo, já que a massa é molinha e o óleo é pouco. Vire as panquecas para dourar dos dois lados. Sirva quente!

Essa receita rende 4 bolinhos. Fiz um molho com iogurte, azeite, sal e molho de pimenta. Ficou uma delícia!

The other day I found online a corn fritter that looked amazing. I bought a can of corn and decided to give it a try. The moment I got hungry and went looking for the recipe, I just couldn’t find it anymore… so I decided to make it up! :-D

My grandma from my father’s side always made fritters out of anything. She would use common ingredients and simple spices and the result was always incredible. As she was never the type of person to follow recipes too closely, I thought I might as well wing it. Luckily, I had just gotten some free range eggs and the result was this beautiful bright yellow fritter!

Ingredients:

  • 1 can of corn
  • 2 eggs
  • ¾ cup of flour
  • 1 clove of garlic – smashed
  • Salt to taste
  • 1 spring of basil
  • 1 tablespoon of smoked paprika
  • Oil

There is nothing simpler! Heat up a frying pan with a bit of oil. Mix all the ingredients and make little mounts of batter on the pan. I didn’t use too much oil, just enough to make the outside crunchy.

The mounts will flatten with time, since the batter is soft and there’s not so much oil. Flip the fritters to brown both sides. Serve them still warm!

This recipe yields 4 fritters. I made bit of sauce using yogurt, olive oil, salt and chili sauce. It turned out pretty great!

Pãozinho de gorgonzola e cenoura / Blue cheese carrot biscuits

* Scroll down for the English version!

Eu me lembro de como me apaixonei por gorgonzola. Não foi amor à primeira vista. Afinal, nem todo mundo nasce gostando de queijos fortes. Mas foi como em qualquer relação amorosa, fomos nos conhecendo aos poucos, ficando mais íntimos e tendo mais liberdades. Hoje em dia posso dizer que temos um relacionamento saudável e feliz.

Já coloquei gorgonzola em saladas, massas, já comi acompanhando geléia, frutas, vinho… e só posso dizer que o céu é o limite. O importante é balancear. E essa receita faz isso. Há algumas semanas eu tenho me deliciado com os posts do blog Lady and Pups, da Mandy. O senso de humor ácido, as idéias incríveis, fotos dramáticas e a forma como ela escreve fazem a leitura das suas receitas um entretenimento garantido. Pelo menos pra mim ;-)

Tenho que admitir que a receita não saiu como planejado. Fiquei na dúvida se eu postava ou não, já que o que deveria ser um “scone”, aquele pãozinho crescido e quebradiço, acabou virando um biscoito salgado. Eu não consegui encontrar creme de leite fresco, como a receita pede, e exagerei nos ovos. E o bendito simplesmente não cresceu. Mas como o gosto é simplesmente incrível, não tive coragem de abandonar a cria e acabei mudando o nome. Acontece nas melhores famílias, não é? Afinal, não teríamos petit gateau ou penicilina sem os erros da humanidade ;-) Então segue a receita com as minhas alterações.

Ingredientes:

  • 80g de manteiga congelada cortada em cubos (deixe no congelador por meia hora)
  • 2 xícaras de farinha
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 xícara de gorgonzola esfarelado
  • 1 xícara de cenoura ralada
  • 2 ovos pequenos (a receita original usa um grande)
  • 1/3 xícara de creme de leite (a original usa creme de leite fresco)
  • Ovo para pincelar

Ligue o forno a 230°C. A Mandy diz que é importante ter o forno aquecido antes de começar a fazer a massa.

Junte a farinha, fermento em pó e sal em um processador de alimentos ou liquidificador e adicione a manteiga. Bata até que ela forme pedacinhos pequenos. Misture com o gorgonzola esfarelado e a cenoura ralada.

Bata o creme de leite e os ovos e misture com o resto da massa. Cubra dois tabuleiros pequenos ou um grande com papel manteiga. Faça 8 montinhos com a massa no tabuleiro, deixando uns 5cm de espaço entre eles.

Como a massa ficou muito mole, esperei para pincelar com o ovo depois de quase assado. Quando os pãezinhos estavam firmes, passei o ovo batido na superfície de cada um.

Como sempre, meu forno multiplicou o tempo de assar. A receita original pede 20 minutos, mas a minha levou aproximadamente 1h. O importante é esperar até o topo dourar. O cheiro é incrível, foi bem difícil esperar assar!

Prontinho! Sirva-os mornos ou em temperatura ambiente.

Rende 8 pãezinhos.

I remember how I fell in love with blue cheese. It wasn’t love at first sight. After all, not everyone is born loving strong cheese. But as with any love story, we got to know each other little by little, getting closer and more intimate with time. Nowadays, I can say that we have a happy, healthy relationship.
I have put blue cheese in salads, pasta, I have eaten it with jam, fruit, wine… all I can say is that the sky is the limit. Balance is key. And this recipe does that. For some weeks now, I have been delighting myself with the post from the blog Lady and Pups, by Mandy. Her sour but sharp sense of humor, the amazing ideas, dramatic photos and the way she writes make her posts guaranteed hours of entertainment. At least for me ;-)
I have to admit that the recipe didn’t quite go as planned. I wasn’t sure if I should post it or not, since a scone has its own shape and what I got was basically a flat biscuit. I couldn’t find heavy cream and used too many eggs. The damn thing simply didn’t hold its shape. But since it still tasted incredible, I decided to go along with it all and just change the name. It happens to the best of us, right? After all, we wouldn’t have molten lava cakes or penicillin if humanity didn’t recognize its own mistakes. So there goes the recipe with the changes that I made.
Ingredients:
  • 80g of frozen butter, chopped into cubes (left in the freezer for 30 minutes)
  • 2 cups of flour
  • 1 tablespoon of baking powder
  • 1 teaspoon of salt
  • 1 cup of crumbled blue cheese
  • 1 cup of shredded carrots
  • 2 small eggs (the original recipe asked for one big one)
  • 1/3 cup of cream (the original recipe asks for heavy cream)
  • 1 egg for brushing
Turn the oven on to 230°C. Mandy says it’s important to have the oven heated up before starting the dough.
Pour the flour, baking powder and salt to a food processer or blender and add the butter. Blend until the butter turns into small lumps. Mix with the crumbled blue cheese and shredded carrots.
Whip the cream and eggs and stir with the rest of the dough. Cover two small trays or a big one with baking paper. Make 8 piles of dough, leaving at least 5cm of space between them. Since my biscuits were too soft, I waited until they were barely done to egg brush. When they are nearly there, whisk one egg and brush the surface of each biscuit.
As usual, my oven took longer than it should. The original recipe asks for 20 minutes and mine took about one hour. The important thing is to let the top get golden. The smell was also incredible and makes it pretty hard to wait until they’re done!
That’s it! Serve them warm or at room temperature.
This recipe makes 8 biscuits.

Caponata de berinjela / Eggplant caponata

*Scroll down for the English version!

Berinjelas costumam ser polêmicas. Xodozinho dos vegetarianos, muitas vezes é olhada com muita desconfiança por quem não tem costume de comer. E vamos combinar, fazer um prato molengão e sem gosto não vai fazer ninguém gostar de legume. Tem que ter sabores, textura, “mojo” ;-) Para quem não gosta de berinjela, aqui vai me desafio: tente fazer essa caponata e me diga se não amou. Duvido que não seja paixão à primeira mordida! Caso não curta mesmo, pode vir tirar satisfação comigo. Tento outra receita ou te dou chocolate! rs Para quem já gosta, vai ser nadar de braçada!

Caponata é um prato tradicional da Sicília, na Itália, que conta com várias adaptações ou versões legais. Posto aqui a minha favorita. Pode ser servido puro ou acompanhar arroz, pães e massas.

Ingredientes:

  • 3 berinjelas picadas em cubinhos (não precisa descascar, é só lavar mesmo)
  • 1 cebola picada bem pequena
  • 1 pimentão verde (ou 1 vermelho e 1 amarelo) picado em cubinhos
  • 150g azeitonas (e/ou alcaparras) picadas
  • 200g castanhas de caju torradas e picadas
  • Alho amassado
  • Sal a gosto
  • 2 ramos de manjericão
  • Azeite a gosto
  • 2 colheres de sopa de óleo
  • 50mL vinagre balsâmico

Existe certa polêmica sobre o modo de cozimento da caponata, principalmente quanto à berinjela. Alguns usam o forno, outros a panela. Alguns fritam a berinjela, outros cozinham no vapor. Como sempre, optei pelo método mais simples rs

Comece levando a cebola, alho, óleo e o pimentão a uma panela em fogo médio e deixe dourar.

Junte a berinjela e vá mexendo sempre. Quando tudo estiver cozido (a berinjela vai mudar de cor fica mais escura), junte as azeitonas, as castanhas, o manjericão, azeite e vinagre. Confira o tempero. O sabor é meio adocicado.

Pronto! Pode ser comido quente, morno ou frio mesmo, principalmente com pães. Essa receita serve de 6 a 8 pessoas.

Eggplants tend to be controversial. Dearest to vegetarians, it’s often looked at with distrust by those who are not used to eating it. And let’s face it, making a gooey, tasteless dish won’t make anyone like vegetables. You gotta have taste, texture, “mojo” ;-) For those of you who don’t like eggplants, here goes my challenge: try making this caponata and tell me if you don’t love it. I doubt it won’t be love at first taste! In case you really do not like it, you can come and confront me. I’ll try another dish or give you chocolate! lol For those of you who already like it, you’ll be in heaven!
Caponata is a traditional dish from Sicily, in Italy and comprises various adaptations and nice versions. I’m posting my favorite. It can be served by itself or as a topping for rice, bread or pasta or as a side dish.
Ingredients:
  • 3 eggplants chopped into cubes (you don’t have to peel them)
  • 1 onion chopped into little cubes
  • 1 bell green pepper (or 1 red and 1 yellow) cut into cubes
  • 150g olives (and or capers) chopped
  • 200g cashew nuts toasted and chopped
  • 2 cloves of smashed garlic
  • Salt to taste
  • 2 springs of basil
  • Olive oil to taste
  • 2 tablespoons of oil
  • 50mL of balsamic vinegar
There is some discussion about the cooking method, especially concerning the eggplant. Some use the oven, others use the pan. Some fry the eggplant first and some steam it. As usual, I chose the easiest way ;-)
Start by taking the onion, garlic, oil and pepper to a pan at medium heat and let them get golden. Add the eggplant and stir often. When it’s all cooked (the eggplant will change color, getting slightly darker), add the olives, cashew nuts, basil, olive oil and vinegar. Check the seasoning. There is a mild hint of sweetness.
That’s it! It can be served hot, warm or even cold, especially with bread. This recipe serves 6 to 8 people.