Pasta de espinafre, masala e iogurte / Spinach, masala and yogurt dip

* Scroll down for the English version!

Desde que saí de casa e comecei a fazer minhas próprias festinhas, aprendi o valor de um patê ou pasta bem gostosa para ser servida como acompanhamento. Não é sempre que eu tenho vontade de passar horas na cozinha e é sempre bom ter uma receita deliciosa e fácil como alternativa. Além de satisfazer a fome e desejo dos amigos, posso curtir a festa sem me preocupar :-)

Essa pasta de espinafre é absolutamente incrível, exótica e viciante. A Mandy do Lady and Pups é a pessoa genial que transformou um creme de espinafre sem graça em um banquete de sabores. Eu mudei um pouco a combinação, porque não tinha todos os ingredientes. Mas ela continuou deliciosa!

A receita usa iogurte grego sem sabor. Eu sei que devo essa receita há tempos, me perdoem! Vou me organizar para fazer o post assim que possível, ok?

Ingredientes:

  • 1 maço de espinafre
  • 1 colher de sobremesa de óleo
  • ½ xícara de passas
  • 3 colheres de sopa de manteiga
  • 1 cebola grande picada em cubinhos
  • 1 dente de alho amassado
  • 2 colheres de sopa de farinha de trigo
  • 1 ½ colher de chá de garam masala
  • 1 colher de chá de cominho em pó
  • 1 xícara de leite
  • ½ xícara de iogurte grego natural
  • Sal a gosto
  • Pimenta do reino a gosto
  • Pimenta calabresa

Deixe as passas em água quente por alguns minutos até incharem.

Separe e lave as folhas do espinafre (é melhor não usar os talos nessa receita. Caso queira utilizá-los depois, sugiro refogar e servir com arroz. Fica uma delícia!). Corte-as bem finas e leve-as à frigideira com o óleo e alho. Cozinhe rapidamente, até ficarem tenras. Deixe esfriar por alguns minutos e retire todo o líquido, apertando bem com as mãos (essa água também pode ser usada em outra receita).

A base da pasta é molho branco. Para fazê-lo, aqueça duas colheres de manteiga em uma panela até começar a borbulhar. Adicione a cebola e cozinhe até começar a dourar. Acrescente a farinha e mexa bem. Com o fogo baixo, vá adicionando o leite bem aos poucos, mexendo sempre. Isso é importante para evitar caroços. Assim que a mistura atingir a textura desejada, junte o sal, a pimenta, a garam masala e o cominho.

Remova as passas da água e adicione-as ao molho, junto com o espinafre. Confira o tempero e cozinhe mais até reduzir um pouco, caso a consistência esteja um tanto líquida.

Acrescente o iogurte grego e misture bem. Não deixe a pasta ferver depois de adicioná-lo. Misture a última colher de manteiga, polvilhe cominho e pimenta calabresa por cima. Sirva essa maravilha morna, com pães.

Essa receita serve 4 a 6 pessoas.

Since I left my family’s home and started making my own parties, I learned the value of a good dip or spread to be served as a side dish. Since I don’t always feel like spending hours in the kitchen, it’s a good idea to have a delicious and easy recipe to turn to. Besides satisfying my friends’ hunger, it leaves me free to enjoy the party :-)

This spinach dip is absolutely incredible, exotic and addictive. Mandy from Lady and Pups is the genius who turned old boring creamed spinach into a feast of flavor. I changed the combinations a bit, because I didn’t have all the ingredients. But it was still delicious!

The recipe uses Greek yogurt. I know I’ve promised you this recipe ages ago, so forgive me! I’ll make sure to organize myself to make the post as soon as possible, ok?

Ingredients:

  • 1 bunch of spinach (about 500g)
  • ½ tablespoon of oil
  • ½ cup of raisins
  • 3 tablespoons of butter
  • 1 large onion – diced
  • 1 garlic clove – smashed
  • 2 tablespoons of flour
  • 1 ½ teaspoon of garam masala
  • 1 teaspoon of ground cumin
  • 1 cup of milk
  • ½ cup of Greek yogurt
  • Salt to taste
  • Ground black pepper to taste
  • Chili flakes

Leave the raisins in hot water for a few minutes until they increase in volume a bit.

Separate and wash the spinach leaves (I wouldn’t use the stalks in this recipe. In case you want to use them later, I suggest stir-frying and serving them with rice. It’s great!). Cut the leaves finely and take them to a frying pan with the oil and garlic. Cook for a few minutes, until tender. Let them cool for a bit and remove all the liquid, squeezing with your hands (this water can also be used in another recipe).

The base of the dip is béchamel sauce. To make the sauce, heat up two tablespoons of butter in a pan, until bubbly. Add the onion and cook until it starts turning golden. Add the flour and mix well. At low heat, add the milk little by little, stirring non-stop. This is important to avoid lumpy sauce. As soon as the mixture reaches the desired texture, add the salt, pepper, garam masala e cumin.

Remove the raisins from the water and add them to the sauce, along with the spinach. Check the seasoning and cook until it reduces a little, in case the consistency is a bit too runny.

Add the Greek yogurt and mix well. Don’t let the mixture boil after you add it. Mix in the last tablespoon of butter, sprinkle some ground cumin and chili flakes on top. Serve warm, with bread.

This recipe serves 4 to 6 people.

Anúncios

Almôndegas veganas / Vegan meatballs

* Scroll down for the English version!

Sabe aquele desejo incontrolável de comer alguma coisa muito específica? Aquela vontade que surge de uma hora pra outra e não desaparece de jeito nenhum? Foi o que eu tive com espaguete e almôndegas. Assim, do nada. Nunca foi um prato típico na minha casa. Na verdade, comi poucas vezes na vida.

Tenho duas referências pessoais e deliciosas que justificam pelo menos o apelo nostálgico. A primeira é a almôndega de soja da minha avó paterna. Nunca provei uma melhor. Não consigo descrever a textura e o sabor, muito menos dizer que temperos ela usou. Minha avó tem poderes mágicos, às vezes é melhor nem tentar entender. Mas, claro, ainda vou pedir a receita ;-)

A outra referência, mais genérica e infantil, é o filme “A dama e o vagabundo”, com a famosa cena romântica de beijo gastronômico. Falem o que quiserem da Disney, mas é difícil desvencilhar dela depois de anos de lavagem cerebral, músicas viciantes e finais felizes.

Reminiscências à parte, resolvi inventar a minha receita. Usei o que tinha em casa e deu certo. O bacana dessas improvisações é que cada vez o resultado é novo :-D Fiquem, então, à vontade para experimentar outras leguminosas e temperos. Quando conseguir a receita da minha avó, podem deixar que eu compartilho!

Ingredientes:

  • 1 ½ xícara de feijão bem cozido (usei feijão roxo)
  • 3 colheres de sopa de aveia
  • 1 colher sopa linhaça batida
  • 3 colheres de sopa de castanha de caju torrada e picada
  • 1 cebola picada
  • 1 dente de alho amassado
  • 1 pitada de cominho
  • 1 colher de sopa de páprica picante defumada
  • 1 pitada de canela
  • Sal a gosto

Junte o alho e a cebola em uma frigideira com um pouco de óleo e deixar dourar.

Pré aqueça o forno a 200°C. Retire o excesso de caldo do feijão e amasse boa parte dos grãos. Use as mãos ou um amassador. Não tem problema deixar alguns inteiros, é até bacana na textura.

Misture todos os ingredientes até atingir uma textura fácil de moldar. Confira o tempero. Pensei em usar um ovo para dar liga, mas resolvi deixar a receita vegana. O resultado seria mais macio, com certeza, mas realmente acho que não fez falta.

Faça bolinhas com as mãos molhadas, para a massa não grudar demais. Espalhe-as em uma forma untada e leve ao forno. Evito ao máximo fritar em casa, por razões de saúde e pelo bem da minha cozinha, que não tem exaustor rs. Caso prefira fritar, vá em frente, use a gordura bem quente e não esqueça de tirar o excesso com um papel toalha.

Deixe assar por 30’ ou até que elas fiquem um pouco mais escuras e crocantes por fora.

Nesse meio tempo, fiz o espaguete e o molho. Não vou colocar a receita aqui, já que o post já está bem grande, mas eu prometo que escrevo sobre um molho de tomate delicioso em breve.

As almôndegas ficam legais também em sanduíches e saladas, mas o meu desejo era o prato clássico. Caso faça o macarrão mesmo, sirva tudo quente, com molho de tomate regando tudo. Delícia! Olha que gracinha!

Essa receita serve de 3 a 4 pessoas.

Do you ever have that incontrollable craving for some very specific dish? That urge that comes out of the blue and just doesn’t go away? That is what I felt about spaghetti and meatballs. Just like that, out of nowhere. It was never a typical dish in my house. In fact, I had it just a few times in my life.
I have, though, two personal and delicious references that justify at least the nostalgic appeal. The first one is my grandmother’s soy meatball. I have never tasted a better one. I can’t describe the texture and the flavor, let alone tell the spices that she used. My grandma (from my father’s side) has magical powers, so sometimes it’s better to give up trying to understand. But of course I’ll still ask for the recipe ;-)
The other reference, more general and childish, is the movie “Lady and the tramp”, with its famous romantic spaghetti kiss scene. Say what you want about Disney, but it’s hard to let go after years of brainwashing, addictive songs and happy endings.
Reminiscences apart, I decided to create my own recipe. I used what I had at home and it worked. The cool thing about these improvisations is that every time the result is new :-D So feel free to try other beans and seasonings. Oh, and when I get my grandmother’s recipe, of course I’ll share!
Ingredients:
  • 1 ½ cup of cooked beans (I used what we call “purple beans” in Brazil. They look like kidney beans, but are much smaller)
  • 3 tablespoons of oats
  • 1 tablespoon of ground flax seeds
  • 3 tablespoons of toasted and chopped cashew nuts
  • 1 chopped onion
  • 1 clove of garlic – mashed
  • 1 pinch of ground cumin
  • 1 tablespoon of smoked hot paprika
  • 1 pinch of cinamon
  • Salt to taste
Cook the garlic and the onion in a pan with a little bit of oil until golden.
Turn the oven on to 200°C. Remove most of the water from the cooked beans and mash them using your hands of some utensil. It’s ok to leave some of them whole, it actually makes the texture kind of nice.
Add the other ingredients until they reach a texture that is easy to mold. Check the seasoning. I thought of using an egg to make it stick better, but I decided to make the recipe vegan. The result would have been softer, but I really think we are not missing out on anything.
Make golf ball-sized balls using wet hands, to avoid it to stick too much. Spread them on a greased tray and take it to the oven. I avoid frying at home to the max, for health reasons and for the sake of my kitchen, since we don’t own a exhaust fan lol. In case you do prefer frying, go for it. Make sure the fat is very hot before you start and don’t forget to take the excessive grease out with some paper towel.
Let them bake for 30’ or until they get darker and crunchy outside.
In the mean time, I made the spaghetti and sauce. I’m not going to write the recipe here because this is already quite long, but I promise I’ll make a post with a beautiful tomato sauce in the future. The meatballs are also very nice on sandwiches and salads, but my craving was the classical dish. In case you do make the spaghetti, serve everything hot, with the tomato sauce on top of everything. Delicious! Check this out!
This recipe serves 3 to 4 people.