Pão de banana e chocolate / Chocolate chip banana bread

* Scroll down for the English version!

Eu não tenho muita experiência com pães. Já fiz alguns aqui para o blog, mas como as receitas costumam ser bem demoradas, não crio coragem com tanta frequência rs.

Esse pão desafia todos os meus conceitos sobre a arte panificadora. Considerei chamar de bolo, mas o sabor realmente não é o mesmo, já que o produto final não é tão doce. Trata-se simplesmente de um pão incrivelmente fácil de fazer (sério, é impossível dar errado!) e absolutamente delicioso! Levei um pedaço para o trabalho e pessoal quis levar pra casa ;-)

O tabuleiro que eu usei não é o mais apropriado para pães, mas era o que eu tinha em casa. Eu usaria uma assadeira de pão de forma, ia ficar mais bonito. A receita original do blog Naturally Ella foi feita em uma dessas e ficou ótimo! Mas o meu baixinho ainda ficou lindo, olha!

Ingredientes:

  • ¾ xícara de aveia
  • 1 xícara de farinha de trigo (branca ou integral)
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • ½ colher de chá de sal
  • ½ xícara de amêndoas ou castanhas picadas
  • 1 xícara de chocolate meio amargo picado (use gotas ou uma barra de 150g)
  • 3 bananas
  • ¾ xícara de mel
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 2 ovos
  • Aveia para enfeitar

Ligue o forno a 180ᵒC e unte uma forma de pão.

Bata a aveia no liquidificador ou em um processador de alimentos até atingir uma consistência de farinha, mas com alguns pedaços. Misture com a farinha de trigo, o bicarbonato, as amêndoas e o chocolate.

Bata as bananas no liquidificador até virarem um purê homogêneo. Junte com o mel, o azeite e os ovos. Junte essa mistura com os ingredientes secos. Misture sem bater.

Despeje a massa na forma e espalhe um pouco de aveia por cima, para enfeitar. Asse por aproximadamente 60 minutos, ou até o topo dourar. Para conferir, enfie um palito de dente no centro. Caso ele saia limpo, o pão está pronto. Deixe esfriar antes de servir.

Essa receita serve 8 pessoas.

I don’t have much experience with bread. I’ve made a few tries for the blog, but as the recipes are quite complicated and take a long time to make, I don’t make them often.

This bread challenges all my preconceived notions about bread baking. I considered calling it cake, but the flavor is really not the same, since the result is not so sweet. It’s simply an incredibly easy bread to make (seriously, it’s impossible to go wrong!) and absolutely delicious! I brought a piece to work and everyone went crazy about it ;-)

I didn’t use an appropriate loaf pan, because I didn’t have one. I strongly suggest it, though, because it looks great. The original recipe from Naturally Ella was made in one of those and it turned out gorgeous! But mine was quite cute as well!

Ingredients:

  • ¾ cup of oats
  • 1 cup of flour (white or whole wheat)
  • 1 teaspoon of baking soda
  • ½ teaspoon of salt
  • ½ cup of chopped almonds or nuts
  • 1 cup of dark chocolate chips (I chopped a 150g bar into chunks)
  • 3 bananas
  • ¾ cup of honey
  • 3 tablespoons of olive oil
  • 2 eggs
  • Oats to garnish

Turn the oven on at 180ᵒC and grease a loaf pan.

Grind the oats using a food processor or blender until they reach a flour-like consistency. It’s fine to have larger pieces. Mix with the wheat flour, the baking soda, the nuts or almonds and chocolate.

Blend the bananas until creamy and smooth. Add the honey, olive oil an eggs. Add this mixture to the dry ingredients and stir gently.

Pour the batter on the pan and sprinkle a few oats on top. Bake for about 60 minutes or until the top is golden. If you want to check, stick a toothpick in the center. If it comes out clean, the bread is ready. Let it cool before cutting.

This recipe serves about 8 people.

Anúncios

Pão de queijo / Cheese bread

* Scroll down for the English version!

Pão de queijo é um símbolo fiel de Minas Gerais. Algumas pessoas de outros estados já me perguntaram se os mineiros curtem mesmo tanto assim o salgadinho. Não seria aquele tipo de comida típica que ninguém consegue mais ver na frente? Bom, tenho certeza de que existe gente que se sente assim. Mas a minha relação com pão de queijo vai muito bem, obrigada. É impossível resistir àquele exterior crocante, ao recheio macio, ao sabor intenso de queijo e ao aroma incrível. Um pão de queijo bem feito é delicioso e reconfortante. Tomado com um cafezinho, é um ritual quase espiritual.

Há alguns anos, comecei a trabalhar em uma empresa que serve vasilhas enormes de pão de queijo nas reuniões mais longas. E que pão de queijo… atribuo a ele vários dos meus recém adquiridos quilinhos a mais ;-)

Devido a essa paixão descontrolada, decidi que tinha passado da hora de aprender a fazer esses pãezinhos em casa. Escolhi usar polvilhos doce e azedo, já que um ajuda a dar a consistência crocante do exterior e o outro, o macio do miolo. A primeira tentativa foi um desastre. As proporções estavam erradas e o tanto de queijo que eu usei não deu nada além de um cheirinho. Tentei de novo, usando uma receita diferente. Bem mais queijo e proporção diferente dos polvilhos. E aí, sim! Texturas certas, sabor bem mais intenso e aquele aroma. Aprendi essa versão com a Raiza do Dulce Delight, que, aliás, dá as dicas em português e inglês. Só acrescentaria um pouco mais de queijo. Segue então a receita com essa pequena alteração.

– Aliás, se você não conseguir encontrar os dois tipos de polvilho, use só um, sem problemas. O seu pão de queijo ainda vai ficar bom. A Raiza também peneira os polvilhos, mas eu sou simplesmente preguiçosa demais pra ter esse cuidado todo ;-)

Ingredientes:

  • 150g de polvilho azedo
  • 250g de polvilho doce
  • 2 pitadas de sal
  • 20g de manteiga com sal
  • 55ml de óleo (mais um pouco para untar suas mãos)
  • 300ml de leite
  • 2 ovos
  • 250g de queijo minas ralado (a Raiza sugere substituir por queijo cotija ou monterey jack caso você não esteja no Brasil)
  • 150g de queijo parmesão ralado

Ligue o forno a 180°C (o meu que é fraco, liguei a 200°C).

Junte o leite, a manteiga e o óleo e leve ao fogo médio. Desligue assim que ferver.

Enquanto os líquidos esquentam, junte os dois polvilhos e o sal em uma vasilha grande. Derrame os líquidos fervidos nos polvilhos e misture com um garfo. Agora é a hora de colocar a mão na massa. Sove a mistura até atingir uma consistência homogênea.

Acrescente os ovos e sove mais. Nessa hora, a massa vai deixar de ser linda e homogênea e vai começar a grudar na sua mão. Tenha paciência, pequeno padawan, é isso mesmo. Tudo vai dar certo!

Acrescente os queijos e misture de novo.

A massa está pronta para enrolar (essa é a única parte mais chatinha do processo). Como ela é muito grudenta, o ideal é passar óleo nas mãos para fazer as bolinhas (tive que lavar as mãos, tirar o excesso da massa e passar mais óleo umas duas vezes). Pegue um pouco de massa e enrole nas duas mãos (usei uma colher de sopa cheia como medida). Coloque em tabuleiros sem untar. Fiz pães de queijo pequenos e consegui 24 unidades.

Leve ao forno por 25 a 30 minutos ou até atingirem a coloração desejada. Sirva os pães de queijo quentinhos!

Cheese bread is the perfect symbol for Minas Gerais, the state where I live in Brazil. Some people from other states have asked me if we really dig it so much. Wouldn’t it be that kind of typical food that you just can’t stand anymore? Well, I’m sure there are people who feel like that. But my relationship with cheese bread goes very well, thank you very much. It’s impossible for me to resist to that crunchy crust, to the softness in the middle, to the intense cheese flavor and incredible aroma. Well-made cheese bread is delicious and comforting. And eaten while drinking coffee, makes it almost a spiritual ritual.
Some years ago I started working for a company which serves loads of cheese bread on huge bowls during the longs meetings. And what cheese bread that is… I blame it for several of my recently acquired extra kilos ;-)
Due to this uncontrollable passion, I decided that it was past time I learned how to make these buns at home. I chose to use “sour” and “sweet” manioc starch, since one helps achieve the crunchy consistency on the outside and the other makes the middle very soft. My first attempt was a disaster. The proportion was all wrong and the amount of cheese that I used was barely enough to make it smell like cheese bread. So I tried again with a different recipe. I used lots more cheese and different amount of starches. And there is was! Right texture, intense flavor and the right aroma. I learned this version from Raiza from Dulce Delight, who, by the way, also shares her recipes in Portuguese and English. I would only add a bit more cheese. So here goes the recipe with this little change.
– By the way, if you can’t find the two kinds of starches, don’t fret. You’ll still get good cheese bread using only one. Raiza also sieves her starch, but I just can’t be bothered, I’m just too lazy for that ;-)
Ingredients:
  • 150g of sour manioc starch
  • 250g regular (sweet) manioc starch
  • 2 pinches of salt
  • 20g of butter
  • 55ml of oil (plus some more for your hands)
  • 300ml of milk
  • 2 eggs
  • 250g of shredded “Minas” cheese (Raiza suggests replacing this with cotija cheese or monterey jack in case you’re not in Brazil)
  • 150g of shredded parmesan cheese
Turn the oven on at 180°C (since mine is not that awesome, I used it at 200°C).
Boil the milk, butter and oil together.
While the liquids heat up, assemble the two starches and the salt on a large bowl. Pour the boiling liquids over the starches and mix with a fork. Now it’s time to get your hands dirty. Knead the mixture until you get a smooth dough.
Add the eggs and knead some more. This is when your beautiful smooth dough will become a horrible sticky mess. Be patient, little padawan, that is how it goes. Everything will be all right.
Add the two types of cheese and mix in the dough.
Now all you need to do is make little balls. Ok, that’s the annoying part of the process, but it gets much easier if you grease your hands with oil. I had to wash my hands, remove the excess batter and use more oil twice. So all you need to do is spread some oil on your hands and roll bits of dough on it (about the size of a tablespoon). Place them on trays, no need to grease them. I made sort of small cheese breads and got 24 units.
Take them to the oven and bake for 25 to 30 minutes or until they reach the desired color (I like mine slightly brown on the sides). Serve them while still warm!

Baguete / Baguette

* Scroll down for the English version!

Baguete é aquele pão francês comprido e delicioso, com uma casca crocante e sabor suave. Perfeito para sanduíches, bruschettas ou para comer com manteiga.

São várias as receitas, mas há alguns pontos em comum:

– O preparo leva tempo. Dependendo da receita, os pães precisam descansar uma vez ou mais, mas sempre precisam de algumas horas.
– Umidade é essencial. Usar água ou gelo em um recipiente abaixo do tabuleiro no qual o pão é assado é importante para deixar a casca crocante.

Escolhi uma que demora umas 4 horas. Eu sei, não é algo que se faça no dia-a-dia, mas vale à pena. A casca é crocante e o miolo, macio. E o sabor suave combina com tudo! Mas o melhor é a sensação de criar um pão maravilhoso desses a partir de ingredientes tão simples.

Ingredientes:

  • 1 ½ xícara de água aquecida a aproximadamente 46°C
  • 1 colher de chá de fermento biológico seco instantâneo
  • 3 ¼ xícaras de farinha de trigo
  • 2 ½ colheres de chá de sal
  • Óleo para untar
  • ½ xícara de cubos de gelo

Junte a água morna e o fermento e reserve por 10 minutos. É importante não ultrapassar essa temperatura, ou as leveduras vão morrer queimadas, tadinhas. A água ficará turva.

Adicione a farinha e mexa com um garfo. Deixe a farinha hidratar por 20 minutos.

Junte o sal e transfira a massa para uma superfície coberta com farinha. Sove por 10 minutos, até que a massa fique homogênea.

Transfira a massa para uma vasilha grande, untada com óleo e cubra com plástico-filme. Deixe descansar e crescer por 45 minutos em um local escuro e sem vento (eu costumo colocar dentro do forno desligado).

Retire a massa da vasilha e abra em uma superfície coberta com farinha. Faça um retângulo de 20cm x 15cm. Dobre os lados até o centro, como se estivesse guardando uma camisa. Dobre os outros lados restantes. Coloque a massa na vasilha novamente, com a abertura para baixo. Cubra com plástico-filme e leve ao forno desligado novamente. A massa vai crescer ainda mais. Deixe descansar por 1 hora.

Retire a vasilha do forno. Coloque uma frigideira de ferro ou tabuleiro resistente na prateleira debaixo do forno. Você vai usar a prateleira do meio para assar o pão.

Ligue o forno a aproximadamente 245°C.

Retire a massa da vasilha e coloque novamente na superfície com farinha. Divida a massa em 3 ou 4 pedaços, dependendo do tamanho de baguete que você quer fazer. Eu dividi em 4 pedaços e rolei na farinha até atingir aquela forma comprida com aproximadamente 25cm.

Cubra um tabuleiro grande com papel manteiga e espalhe um pouco de farinha por cima. Coloque os 4 pães no tabuleiro, deixando um pouco de espaço entre eles. Levante o papel manteiga para que cada um possa crescer sem atrapalhar o outro. A receita pede também para deixar uma toalha em cada canto do tabuleiro, para evitar que os pães cresçam para os lados. Cubra levemente com plástico-filme e deixe descansar por mais 50 minutos.

Retire o plástico e as toalhas e estique o papel manteiga. Com uma tesoura, corte suavemente a superfície de cada baguete, deixando intervalos. Abaixe as pontinhas da massa com a tesoura (esqueci de fazer isso rs).

Leve o tabuleiro com as baguetes ao forno. Coloque os cubos de gelo na frigideira ou tabuleiro que está abaixo. Asse até atingir uma cor dourada bem escura (as minhas podiam ter ficado um pouco mais). Dependendo do forno, isso pode levar de 20 a 60 minutos.

Esfrie antes de servir. Comi os primeiros pedaços com manteiga e molho pesto e fiz sanduíches com o restante. Uma delícia!

Baguettes are those long delicious French bread with a crunchy crust and mild flavor. It is perfect for sandwiches, bruschettas or to simply eat with butter.
There are several different recipes, but all of them with some things in common:
– The preparation takes time. Depending on the recipe, the bread will rest once or twice, but it will always take a few hours to make it.
– Humidity is key. Using water or ice in a recipient underneath the tray in which the baguette is baking is important to make the crust really crunchy.
I chose a recipe that takes about 4 hours. I know, it’s not something you would do every day, but it’s so worth it. The crust is amazing and crunchy, the middle is soft. The flavor goes with everything! But best of all is the feeling of creating such incredible bread from such simple ingredients.
Ingredients:
  • 1 ½ cup of warm water (about 46°C)
  • 1 teaspoon of instant dry yeast
  • 3 ¼ cups of flour
  • 2 ½ teaspoons of salt
  • Oil – to grease
  • ½ cup of ice cubes
Combine the water and the yeast and set aside for 10 minutes. It’s important not to use water that is too hot, or the yeast will die, poor thing. That water will get misty.
Add the flour and mix everything in with a fork. Let the flour hydrate for about 20 minutes.
Mix in the salt and transfer the dough to a flour covered surface. Knead for about 10 minutes, until the dough is smooth.
Transfer the dough to a big bowl, greased with oil and cover with plastic wrap. Let it rest and grow for 45 minutes on a dark, windless spot (I usually use the oven, when it’s off).
Remove the dough from the bowl and open it on a flour covered surface. Make a 20cm x 15cm rectangle. Fold the sides to the center, as if you’re folding a shirt. Fold the other remaining sides. Put the dough back to the bowl, with the seam side down. Cover with plastic wrap and let it rest in the oven again. The dough will rise even more. Set it aside for 1 hour.
Remove the bowl from the oven. Put a cast iron skillet or a tray on the bottom rack of the oven. You will use the middle one for the bread.
Turn the oven on to about 245°C.
Remove the dough from the bowl and place it on the flour covered surface again. Divide the dough into 3 or 4 equal pieces, depending on the size of baguettes you want to make. I divided mine into 4 pieces and rolled them on the flour until reaching that long shape. They had about 25cm in length.
Cover a large tray with parchment paper and spread some flour on it. Put the 4 breads on it, leaving some space between them. Lift the paper that is between each loaf, so they can grow without disrupting each other. The recipe also asks to leave a folded towel on each corner of the tray, to avoid the bread to grow to the sides. Cover loosely with plastic wrap and let them rest for 50 more minutes.
Remove the plastic and the towels and smoothen the paper. With a scissor, cut lightly the surface of each baguette, leaving some space between each cut. Flatten the tips of the sides of each slash (I obviously forgot to do that..).
Take the tray with the baguettes to the oven. Put the ice cubes in the skillet or tray that is in the bottom of the oven. Bake until each bread reaches a strong golden color (mine could have been left a while longer). Depending on the oven, this might take from 20 to 60 minutes.
Let them cool before serving. I ate some with butter and pesto sauce and made sandwiches with the rest. So good!

Pãozinho de gorgonzola e cenoura / Blue cheese carrot biscuits

* Scroll down for the English version!

Eu me lembro de como me apaixonei por gorgonzola. Não foi amor à primeira vista. Afinal, nem todo mundo nasce gostando de queijos fortes. Mas foi como em qualquer relação amorosa, fomos nos conhecendo aos poucos, ficando mais íntimos e tendo mais liberdades. Hoje em dia posso dizer que temos um relacionamento saudável e feliz.

Já coloquei gorgonzola em saladas, massas, já comi acompanhando geléia, frutas, vinho… e só posso dizer que o céu é o limite. O importante é balancear. E essa receita faz isso. Há algumas semanas eu tenho me deliciado com os posts do blog Lady and Pups, da Mandy. O senso de humor ácido, as idéias incríveis, fotos dramáticas e a forma como ela escreve fazem a leitura das suas receitas um entretenimento garantido. Pelo menos pra mim ;-)

Tenho que admitir que a receita não saiu como planejado. Fiquei na dúvida se eu postava ou não, já que o que deveria ser um “scone”, aquele pãozinho crescido e quebradiço, acabou virando um biscoito salgado. Eu não consegui encontrar creme de leite fresco, como a receita pede, e exagerei nos ovos. E o bendito simplesmente não cresceu. Mas como o gosto é simplesmente incrível, não tive coragem de abandonar a cria e acabei mudando o nome. Acontece nas melhores famílias, não é? Afinal, não teríamos petit gateau ou penicilina sem os erros da humanidade ;-) Então segue a receita com as minhas alterações.

Ingredientes:

  • 80g de manteiga congelada cortada em cubos (deixe no congelador por meia hora)
  • 2 xícaras de farinha
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 xícara de gorgonzola esfarelado
  • 1 xícara de cenoura ralada
  • 2 ovos pequenos (a receita original usa um grande)
  • 1/3 xícara de creme de leite (a original usa creme de leite fresco)
  • Ovo para pincelar

Ligue o forno a 230°C. A Mandy diz que é importante ter o forno aquecido antes de começar a fazer a massa.

Junte a farinha, fermento em pó e sal em um processador de alimentos ou liquidificador e adicione a manteiga. Bata até que ela forme pedacinhos pequenos. Misture com o gorgonzola esfarelado e a cenoura ralada.

Bata o creme de leite e os ovos e misture com o resto da massa. Cubra dois tabuleiros pequenos ou um grande com papel manteiga. Faça 8 montinhos com a massa no tabuleiro, deixando uns 5cm de espaço entre eles.

Como a massa ficou muito mole, esperei para pincelar com o ovo depois de quase assado. Quando os pãezinhos estavam firmes, passei o ovo batido na superfície de cada um.

Como sempre, meu forno multiplicou o tempo de assar. A receita original pede 20 minutos, mas a minha levou aproximadamente 1h. O importante é esperar até o topo dourar. O cheiro é incrível, foi bem difícil esperar assar!

Prontinho! Sirva-os mornos ou em temperatura ambiente.

Rende 8 pãezinhos.

I remember how I fell in love with blue cheese. It wasn’t love at first sight. After all, not everyone is born loving strong cheese. But as with any love story, we got to know each other little by little, getting closer and more intimate with time. Nowadays, I can say that we have a happy, healthy relationship.
I have put blue cheese in salads, pasta, I have eaten it with jam, fruit, wine… all I can say is that the sky is the limit. Balance is key. And this recipe does that. For some weeks now, I have been delighting myself with the post from the blog Lady and Pups, by Mandy. Her sour but sharp sense of humor, the amazing ideas, dramatic photos and the way she writes make her posts guaranteed hours of entertainment. At least for me ;-)
I have to admit that the recipe didn’t quite go as planned. I wasn’t sure if I should post it or not, since a scone has its own shape and what I got was basically a flat biscuit. I couldn’t find heavy cream and used too many eggs. The damn thing simply didn’t hold its shape. But since it still tasted incredible, I decided to go along with it all and just change the name. It happens to the best of us, right? After all, we wouldn’t have molten lava cakes or penicillin if humanity didn’t recognize its own mistakes. So there goes the recipe with the changes that I made.
Ingredients:
  • 80g of frozen butter, chopped into cubes (left in the freezer for 30 minutes)
  • 2 cups of flour
  • 1 tablespoon of baking powder
  • 1 teaspoon of salt
  • 1 cup of crumbled blue cheese
  • 1 cup of shredded carrots
  • 2 small eggs (the original recipe asked for one big one)
  • 1/3 cup of cream (the original recipe asks for heavy cream)
  • 1 egg for brushing
Turn the oven on to 230°C. Mandy says it’s important to have the oven heated up before starting the dough.
Pour the flour, baking powder and salt to a food processer or blender and add the butter. Blend until the butter turns into small lumps. Mix with the crumbled blue cheese and shredded carrots.
Whip the cream and eggs and stir with the rest of the dough. Cover two small trays or a big one with baking paper. Make 8 piles of dough, leaving at least 5cm of space between them. Since my biscuits were too soft, I waited until they were barely done to egg brush. When they are nearly there, whisk one egg and brush the surface of each biscuit.
As usual, my oven took longer than it should. The original recipe asks for 20 minutes and mine took about one hour. The important thing is to let the top get golden. The smell was also incredible and makes it pretty hard to wait until they’re done!
That’s it! Serve them warm or at room temperature.
This recipe makes 8 biscuits.

Pão caseiro com açúcar mascavo, castanhas e canela / Homemade bread with brown sugar, nuts and cinnamon

* Scroll down for the English version!

Sempre tive medo de forno. Quando morava com a minha avó, era raro alguém usar, seja por economia ou por preguiça. A maioria das tortas e bolos era feita em formas específicas para fogão. Então comecei a me aventurar no campo dos “assados” bem tarde e de forma cautelosa. Mas atualmente ando menos medrosa e até um tanto aventureira. Até certo ponto, já que brincar com receitas desse tipo é sempre arriscado.

Uma das minhas séries favoritas chama-se “The Great British Bake Off”, que chama “padeiros” amadores da Grã-Bretanha para competir em um reality show. Não costumo gostar desse tipo de programa, que envolve muitos egos, brigas bem tensas e uma manipulação cruel. Mas eu tenho uma impressão completamente diferente desse programa. Os competidores são todos pessoas incríveis, super doces e suas experiências em assar tortas e pães vem de fornecer alimento à família e amigos. Me identifico demais. E aprendo muito também. Vejo o pessoal falando sobre o tipo de massa, o que pode dar errado e qual é resultado perfeito a ser alcançado. Coisa linda!

Resolvi começar uma série de pães e tortas. Essa é uma receita básica de pão branco que eu adaptei. Não tenho paciência pra pão branco. Acho muito sem personalidade. Como não tinha farinha integral em casa, usei linhaça, canela, açúcar mascavo e castanhas. Já diziam no meu show favorito que adicionar esse tanto de coisa em uma massa retarda o tempo de descanso da massa e o período no forno também. O jeito é ter paciência, pequeno padawan. Vale à pena!

Usei uma receita do Jamie Oliver e dividi, usando só a metade.

Ingredientes:

  • 2 xícaras de farinha de trigo (mais ½ xícara para polvilhar)
  • 2 colheres de chá de sal
  • 3 colheres de sopa de açúcar mascavo
  • 2 colheres de chá de fermento de pão
  • 300mL de água morna
  • 5 castanhas-do-Pará picadas
  • 7 amêndoas picadas
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 3 colheres de chá de linhaça

Use uma superfície limpa para começar a juntar a massa (caso prefira, use uma vasilha no início, para evitar muita bagunça). Faça uma montanha com a farinha e cave um buraco no meio, como um vulcão. Coloque metade da água dentro e adicione o fermento, açúcar e o sal e vá misturando com um utensílio. Vá adicionando o resto da água, misturando com a farinha ao redor. Se estiver usando a superfície lisa, tome cuidado para não destruir as paredes, ou a água vai escorrer para todos os lados.

Com as mãos cobertas em farinha, comece a misturar e sovar a massa. Use a almofadinha de trás das mãos e sove bastante, por uns 5’.

Deixe descansar por 30’ em uma vasilha coberta com plástico-filme.

Retire a massa da vasilha e acrescente os outros ingredientes. Sove a massa mais uma vez, até atingir o formato e textura desejados. Como eu disse, o Jamie faz o pão branco, mas eu resolvi dar um toque mais adocicado. Deixe descansar mais uma vez por pelo menos 45’ na vasilha coberta, até que a massa dobre de tamanho. Aqueça o forno a 180°C.

Depois de descansar, o pão deve ser manejado com muito cuidado, para não perder as bolhas de ar que vão deixá-lo macio por dentro. Coloque-o gentilmente em uma forma coberta de farinha e leve ao forno. Não bata a porta! Deixe assar por aproximadamente 1h ou até atingir uma cor dourada. O Jamie diz que ao bater no fundo, o som é oco. Acho esse um teste um tanto subjetivo rs… Tire do forno e deixe descansar e esfriar por mais meia hora.

O pão é grandinho e serve umas 4 pessoas gulosas. Fica uma delicia com manteiga, queijo ou geleia de morango. Nham!

I’ve been scared of the oven for as long as I can remember. When I still lived with my grandma, we rarely used it, whether for being cheap or lazy, I’m not sure. Most cakes and pies were made on the stove top, using special trays. So I started my experiences in the baking world quite late and carefully. But nowadays I’m much more fearless and almost a bit adventurous. To a certain degree, because there’s so much you can change in a recipe like this.
One of my favorite TV shows lately is called “The Great British Bake Off”, which involves British amateur bakers to compete in a reality show. I don’t usually go for that kind of thing, since it involves too much ego, horrible fights and cruel manipulation. But I have a totally different feeling about this one. The participants are all amazing people, super sweet and experienced in providing great baking good for their family and friends. I identify, of course. And I also learn a lot! They talk about different kinds of dough and batter, what can go wrong with each one and what the perfect result should be like. Beautiful stuff!
So I decided to start a series of bread and pies. This one is a basic recipe for white bread that I adapted. I have no much patience for white bread, there just no personality at all. Since I didn’t have whole-wheat flour at home, I used flax seeds, cinnamon, brown sugar and nuts. Everyone on my favorite show talks about how adding all this to a recipe makes the proving and baking time much longer. So we need to have patience, little padawan! It’s worth it!
I used a recipe by Jamie Oliver but made only half of it.
Ingredients:
  • 2 cups of flour (and ½ a cup to dust)
  • 2 teaspoons of salt
  • 3 tablespoons of brown sugar
  • 2 teaspoons of yeast
  • 300mL of warm water
  • 5 chopped Brazil nuts
  • 7 chopped almonds
  • 1 teaspoon of ground cinnamon
  • 3 teaspoons of ground flaxseeds
Use a clean surface to start making the dough (if you want, use a bowl in the beginning, to avoid making a mess). Make a pile of flour with a hole in the middle, like a volcano (Jamie calls it a well. Silly Jamie…). Pour half the water inside and add the yeast, 1 spoon of sugar and salt and mix it using a utensil. Add the rest of the water slowly, mixing the flour around. If you’re using the surface and not the bowl, be careful not to destroy the walls too quickly or the water will go everywhere.
Cover your hands in flour and start mixing and kneading the dough. Use the heel of your hands and knead for about 5’.
Once it’s smooth, let it rest on a bowl covered with cling film for 30’.
Remove the dough form the bowl and add the rest of the ingredients. Knead it once more, mixing everything up and reaching the shape and texture desired. Let the dough rest one more time for about 45’ in the covered bowl, until it doubles in size. Preheat the oven to 180°C.
After it’s rested, move the bread very carefully, doing your best not to let the air bubbles leave. They’re the ones that will make the bread soft. Transfer it gently to a flour-dusted tray and put it in the oven, being careful not to slam the door. Bake for about 1h or until reaching a golden color. Jamie says that if you tap on the bottom, the sound is hollow. I think it’s a kind of subjective test… Remove it from the oven and leave it to rest and cool for half an hour more.
The bread serves about 4 people. It tastes great with butter, cheese or strawberry jam. Yum!

Bruschetta de cogumelos

Aaaah, deliciosa, cremosa, suculenta, crocante, maravilhosa, magnífica bruschetta (brusqueta para os íntimos). A rainha dos aperitivos e dos comentários maliciosos pelo nome sugestivo. Com suas mil variedades de sabores, essa torradinha sapeca vem conquistando corações por onde passa. Vai a minha favorita, com os melhores amigos dos vegetarianos, esses funguinhos queridos!

Coloquei os cogumelos que encontrei em promoção no super mercado, mas fique à vontade para escolher os seus ;-)

Ingredientes:

  • 200g de shimeji
  • 200g de portobello
  • 1 cebola grande picada
  • 1 colher de copa de manteiga
  • 3 colheres de sopa de creme de leite
  • ervas de Provence a gosto
  • 1/2 taça de vinho (baratinho mesmo, o que você encontrar)
  • sal e alho a gosto
  • azeite
  • 1 baguete
  • 3 colheres de sopa de parmesão ralado
  • 2 colheres de sopa de alcaparras

Corte a baguete em fatias de aproximadamente 1 cm.

Limpe os cogumelos com um pincel, tirando qualquer sujeira. Caso queira lavá-los, deixe secar a água por completo. Se estiver usando cogumelos secos, deixe de molho em água morna por pelo menos 30′ e seque antes de usar. Doure a cebola em uma frigideira com um pouco de azeite. Pique os funguinhos em tiras e junte com a cebola, acrescentando alho e sal. Refogue por uns 5′.

Coloque o vinho e deixe cozinhar até secar.

Junte o creme de leite e misture bem. Lave as alcaparras para retirar o excesso de sal e junte aos cogumelos.

Cubra as fatias de pão com a mistura.

Polvilhe o parmesão ralado e leve ao forno pré-aquecido a 220°. Asse por aproximadamente 5′ ou até a bruschetta ficar crocante. Regue com azeite e sirva quente.

Serve 4 pessoas altruístas ;-)

Chapati – Independência da Índia – parte II

Chapati é um pão muito tradicional na Índia e em todo o sul asiático. Muito simples de fazer e com um sabor muito suave, ele pode acompanhar praticamente qualquer prato.

Ingredientes:

  • 2 xícaras de farinha de trigo integral
  • água
  • 2 pitadas de sal
  • 4 colheres de óleo

Coloque a farinha e o sal em uma vasilha e acrescente a água aos poucos. O segredo do chapati é sovar bastante. Junte água até que a massa fique macia, mas sem grudar muito na mão. Alguns vídeos do youtube mostram esse ponto. Quando terminar de sovar, coloque o óleo e mexa mais um pouco. Cubra e deixe descansar por aproximadamente 15′.

Faça bolinhas de 5cm de diâmetro com a massa. Forre uma superfície com farinha e abra a bolinha com a ajuda de um rolo. Deixe o pão bem fino. Não é fácil fazer um círculo certinho, mas todo mundo que faz com frequência me garante que é só questão de prática. Gosto de acreditar nisso! ;-)

Aqueça bastante uma chapa de ferro ou frigideira e coloque um pão aberto, um por um. Normalmente, como a superfície é muito quente, bolhas vão surgir na massa. Assim que isso acontecer, gire o pão e toste do outro lado. Para quem tem uma grade de metal, coloque-a sobre o fogo e deixe o chapati no fogo por poucos segundos de cada lado. Ele deve inchar e terminar de cozinhar (não se preocupe se isso não acontecer).

Sim, era para ser redondo. Mas dá para ter uma ideia ;-)

É muito comum servir chapati com ghee (pronuncia “gui”), ou manteiga clarificada. Se quiser fazer em casa, leve um tablete de manteiga sem sal ao fogo e deixe derreter. Quando começar a ouvir um barulho suave de chuva, retire a espuma que se formou em cima. O que restou em baixo já é o ghee, que pode ser armazenado e usado para regar pratos e como uma manteiga normal, para cozinhar.

Essa receita de chapati serve 6 pessoas.